Colegiales

Instruções para conhecer Colegiales

Conheço Buenos Aires há mais de 10 anos e nunca, até então, tinha estado em Colegiales. Como acontece com muitos bairros residenciais portenhos (tipo Flores, Boedo, Caballito), raramente um turista tem a oportunidade de visitá-lo se não tiver algum amigo morando na área.

O fato é que o destino nos fez encontrar uma casa aqui, e passamos os últimos oito meses neste que é, indiscutivelmente, um dos melhores bairros de Buenos Aires (se bobear, o melhor) para se morar.

Nesta semana mudaremos para outro canto da cidade, mas antes de partir decidi escrever este breve guia com sabor de despedida e saudades antecipadas.

Instruções para conhecer Colegiales

Colegiales

Grafiti na calle Conde.

Quando comentei com nossa anfitriã que escreveria um texto sobre o bairro onde moramos, ela foi taxativa: “peloamordedeus, não queremos encher Colegiales de turistas”. Não dizia por mal. Como muitos que vivem na vizinhança, ela só queria preservar sua tranquilidade, sua aura despretensiosa, seus preços camaradas. Como não acredito que um post tenha esse poder todo, e porque defendo que sempre devemos escrever sobre o que nos toca, dei de ombros e disse que escreveria mesmo assim.

ColegialesColegiales é um dos menores bairros da capital, com pouco mais de dois quilômetros quadrados de superfície, encravados numa porção fronteiriça entre Palermo e Belgrano e vizinho da Chacarita (antigamente, por sinal, o bairro se chamava Chacarita de los Colegiales, em referência aos estudantes que vinham para cá nas férias). Nos anos 90, Palermo viveu um grande boom imobiliário e turístico, transformando-se no reduto hype de Buenos Aires e influenciando suas adjacências – por exemplo, Villa Crespo. Não foi o que aconteceu com Colegiales. Pelo menos, ainda não.

Aqui, é possível entreouvir diálogos cotidianos como este na rua:
— Todo bien?
— Todo bien, y vos?
— Todo bien.
— Bueno, me alegro.

Colegiales

Às vezes, quando caminho por certas ruas de paralelepípedo sombreadas por árvores centenárias, olhando os grafitis, os carros antigos abandonados, a diversidade da arquitetura e a decoração pitoresca das casas, tenho a impressão de que o tempo, aqui, parou. Penso nisso quando encontro um desses correios vermelhos que ainda sobrevivem, embora apenas decorativamente. Ou quando vejo que o caminhão de mudanças estacionado na Virrey Loreto com a General Martinez continua lá, sem o menor sinal de que vai, algum dia, mudar.

ColegialesEmbora o bairro tenha grandes avenidas (Elcano, Cabildo, Federico Lacroze, Álvarez Thomas), a maioria das ruas parece daquelas cidadezinhas de interior, com poucos carros, idosos arrastando sacolas de compras em calçadas destruídas pelas raízes das árvores e pessoas levando seus cães para passear. Colegiales não tem parque, mas é cheio de pracinhas simpáticas. E não faltam verdurarias, floriculturas, bancas de jornal, padarias (algumas, um verdadeiro oásis, como a Santa Ana, na esquina da Virrey Avilés com a Conde, que fecha perto da hora do almoço porque as medialunas e os pães acabam cedo). Aliás, não estranhe se depois das 13h encontrar alguns lugares fechados. Depois da siesta, lá pelas 15h ou 16h, tudo volta ao normal.

Colegiales

ColegialesColegialesProvavelmente Colegiales seja um bairro melhor para morar do que para turistar. De uns tempos pra cá, porém, começaram a pulular lojinhas de design, cafés e restaurantes bacanas que podem ser um atrativo para quem já rodou pelos endereços clássicos de Palermo, Recoleta, San Telmo e microcentro.

A seguir, minha seleção das melhores atrações do bairro:

Loreto Garden Club
(Virrey Loreto 2912)
Colegiales

Verdadeiro achado de Colegiales, fica escondido numa rua de pouco movimento, numa linda casa modernista. Os pratos criados pelo chef e proprietário Andrés Balaciano são muito saborosos, saudáveis e com um toque-gourmet-zero-afetação. O menu de almoço sai em torno de $120 pesos (preço de abril de 2016) e inclui bebida e sobremesa (ou café). Se você curte um suco cítrico amarguinho, não deixe de provar a “pomelada”, é dos deuses!

Crisol
(Cap. Gral. Ramón Freire 1502)
Colegiales

Com ótimos baristas e blend próprio (com grãos do Brasil e da Colômbia), no Crisol café é assunto sério. Mas também tem comidinhas, medialunas, hambúrgueres (incluindo opções vegetarianas) e muito mais. Um café de esquina para passar o dia vendo a vida do bairro passar.

El cocilón del clú
(Conesa, 1299, esquina com Virrey Arredondo)
Colegiales

“Bar y cocina de barrio” é o lema desse restaurante. Lucas, o proprietário, abriu a casa há uns 5 anos para servir boas parrillas com acompanhamentos clássicos, como saladas, provoleta e massas caseiras, entre outras guarnições mais especiais, como cogumelos grelhados. Além de um menu delicioso, o restaurante fica numa esquina super arborizada, onde quase não passam carros, num ponto ainda mais escondido de Colegiales. Vale a pena ir para almoçar ou jantar em uma das mesas na calçada. Às vezes, à noite, rola jazz.

Amor en la calle Freire
(Cap. Gral. Ramón Freire, 1005)
Colegiales

Uma loja adorável com produtos de vários designers argentinos, de cerâmicas a itens de decoração, de bolsas a bijoux, tudo muito criativo, mimoso e delicado.

Teatro Vorterix
(Federico Lacroze, 3455)
Colegiales

Casa de show com excelente programação, em especial pra quem curte rock. Em seu palco já pisaram bandas como Sepultura, Megadeth, Molotov, além de grupos argentinos mais, digamos, alternativos, como Él mató a un policía motorizado, Juana Molina e Onda Vaga. Além do teatro, com capacidade para 1.584 pessoas em pé, o projeto Vorterix inclui uma rádio (FM 103.1), que também pode ser ouvida na web.

Don Hugo
(Virrey Loreto 3499)

Colegiales

Foto: El Selecto Club del Sello

Típica parrilla de bairro, com churrasco bom, barato e sem frescura (certa vez, aliás, levei um pito do Don Hugo ao perguntar se tinha “menu executivo”: Aquí tenemos menu obrero, nena!). Não tem muito o que explicar, é sentar e pedir seu corte de carne preferido, no ponto que você mais gosta.

Bazar Coucou
(Cap. Gral. Ramón Freire, 1302, esquina)
Colegiales

Mesmo estilo da “Amor en la calle Freire”, só que com mais variedade de cerâmicas (tem uns vasinhos para plantas hermosos!). A loja também vende vários itens fofos para decoração infantil, além de artigos de cozinha, livros de culinária e outras delicadezas.

La prometida
(Delgado, 1189)
Colegiales

Espécie de bistrô com patiozinho externo num casarão maravilhoso com mobiliário antigo. Pratos deliciosos para almoço e jantar, numa esquina sem a clássica oitava de Buenos Aires, em frente à praça San Miguel de Garicoits. Panificação é um dos fortes da casa. Não ligue se um gato rajado, o mascote de La Prometida, passar pedindo cafuné. “Soy feliz” é a senha do wi-fi, e é assim que você vai se sentir depois de passar algumas horas neste lugar.

Mercado de las Pulga
(Dorrego, 1650)
Colegiales

Um quarteirão inteiro para se perder em busca de velharias: móveis, objetos de decoração, quadros, porcelanas, discos, equipamentos eletrônicos, roupas e outros tesouros do passado. Confira o post que fizemos do Mercado, cheio de fotos e dicas para explorar este lugar.

La fachada
(Cap. Gral. Ramón Freire 1100)
Colegiales

Nossas empanadas preferidas desde que chegamos a Buenos Aires (e olha que provamos várias!). Geralmente pedimos para levar, mas acho que dá para comer no balcão. As de choclo (milho) e carne picante são as melhores. Tem uma filial em Palermo, mas se estiver andando por Colegiales e bater uma fome, já sabe.

Laboratorio de Objetos
(Freire 1102)
Colegiales

Se você ama móveis e objetos vintage, seja bem-vindo a essa loja. Sua dona, Paola Arduino, trabalhou anos com direção de arte para cinema e tv, com foco em produções de época. De tanto pesquisar, começou a recuperar móveis de madeira e outras peças antigas que precisavam de um restauro, e criou sua própria marca. Além do trabalho lindo de design com pegada retrô, cada item vem com uma história única.

Pasaje General Paz
(Ciudad de la Paz, 561)
Colegiales

No começo do século 20, com a chegada massiva de imigrantes europeus, o metro quadrado portenho começou a ficar caro e escasso. Começaram, então, a construir “vivendas coletivas”, também chamadas de “passagens residenciais”. O Pasaje General Paz é um deles. Construído em 1925 pelo arquiteto e engenheiro Pedro Vinent, antigo proprietário do terreno, o prédio de três andares tem 57 apartamentos, interligados por corredores com sacadas de ferro que dão para um pátio interno encantador. Como antigamente a rua Ciudad de la Paz se chamava General Paz (antes da construção da autopista homônima, circundando a capital), o edifício ganhou este nome. É um dos endereços mais charmosos do bairro, sem dúvidas.

Pipí Cucú
(Ciudad de la Paz 557)

Colegiales

Foto: Página/12

Colado com o Pasaje General Paz, este bistrô sempre chamou minha atenção – embora, confesso, ainda não tive a chance de conhecê-lo. Dizem que tem uns coquetéis exóticos incríveis, e que é ideal para ir a dois ou numa ocasião especial, já que não deve ser muito barato. O imóvel fica num prédio colonial, e a decoração (a cargo do artista plástico Sergio de Loof) está entre o vintage, o rococó romântico e o art déco. Em tempo: o nome não tem nada de escatológico, viu? Na gíria portenha, “pipí cucú” significa algo como “nota mil”, “perfeito”, algo muito legal.

LadoBueno
(Ciudad de la Paz, esquina com Jorge Newberry)
Colegiales

Não faltam sorveterias sensacionais em Buenos Aires, e esta é uma delas. Embora o site diga que essa é a sucursal de Belgrano, tecnicamente fica em Colegiales. Além de ótimos sorvetes artesanais, também vende sobremesas lindas e deliciosas, como tiramisù, cheesecake e uma infinidade de bombons.

La Dominga
(Freire 1514)
Colegiales

O tipo de loja pra enlouquecer quem gosta de artigos de papelaria, design e decoração com originalidade. Adoro os mates, os assentos para bicicleta com estampas coloridas, os vasos para flores em formato de caveirinha, os toy art. Em resumo: adoro tudo! No segundo andar há uma coleção enorme de cadernos tipo moleskine artesanais de várias marcas argentinas. Sou fã!

Granada
(Freire, 1102, esquina com Zabala)
Colegiales

Armazém de orgânicos especializado em sementes, grãos, produtos lácteos, frutas, verduras, azeites e tudo o que é bom e saudável. Também vende ótimos pães, tortas e bolos. Fora que o lugar em si é um chuchu, com tudo feito no capricho e um atendimento impecável.

Os ônibus 168 e 151 são os que atravessam o bairro. O 140, que vem do centro pela Av. Córdoba e depois Alvares Thomas também passam por Colegiales. É possível vir de trem, tomando a linha Mitre no terminal de Retiro e descendo na estação Colegiales. De metrô, as estações mais próximas são a Olleros ou a Jose Hernández (linha D) e Federico Lacroze (linha B). Se vier de bicicleta, há uma ciclovia na Teodoro García e outra na General Martinez.

Veja 10 coisas para fazer na Chacarita, do ladinho de Colegiales.

Leia nosso Guia de Bairros de Buenos Aires

Devore todos os posts da Mariana Sanchez na seção VIDA PORTENHA.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

12 comentários

  1. Olha, se o post vai ter alcance pra encher Colegiales de turistas eu não sei, mas pelo menos uma – e por sua culpa – esse bairro vai ganhar. Só tinha ido até o mercado de pulgas, mas já fiquei morrendo de vontade de ir conhecer.

  2. Puxa Mari que delícia de post!!! Deu saudades do meu ex-bairro, morei por 2 anos aí é realmente é uma caixinha de surpresas! Agora estou nas lomas de Nuñez que é super super residencial (mais que colegiales) mas já deu vontade de voltar pra visitar <3

    • Mariana Sanchez
      Author

      Ah, Nuñez é mesmo muito legal! Tem uma verduraria de orgânicos ótima aí na avenida Congreso, não lembro o nome. Não sabia que tinha se mudado, nena. Uma hora temos que nos ver de novo, né? Besitos.

  3. Guilherme

    Sugiro ir de trem. É uma viagem muito agradável, trens novinhos.
    Que lugar encantador! Daqueles que a gente pensa “quero morar aqui”.
    As empanadas são apenas pra levar(disse-me o rapaz que lá trabalha). Mas não tem problema: há uma praça a 4 quadras dali,onde pude saborea-las tomando um solzinho.
    Fiquei na casa da Gisele e do Edu desta vez. Por pouco não tive o prazer de conhece-la( e agradecer pessoalmente por tornar minha ida a Buenos muito mais encantadora).
    obrigado Mariana.

    • Mariana Sanchez
      Author

      Opa, valeu pelo comentário, Guilherme! E parabéns pela escolha de ficar na casa da Gi e do Edu, grandes anfitriãos. Quem sabe nos conhecemos na próxima. Abraços!

  4. Pingback: Bochín Club: o bom, bonito e barato de Palermo | Aires Buenos | Turismo, guias de viagem e segredos de Buenos Aires

  5. Pingback: Conheça os guias do Aires Buenos Tour e suas dicas de viagem | Aires Buenos | Simplesmente tudo sobre Buenos Aires

Curtiu? Comente aí!