Librería de Ávila

La Librería de Ávila, a primeira livraria de Buenos Aires

Um estudo publicado em 2014 pelo World Cities Culture Forum comprova aquilo que a gente já suspeitava: Buenos Aires é mesmo a cidade com o maior número de livrarias por habitante no planeta. São 25 para cada dez mil pessoas (São Paulo, por exemplo, tem 3,5), mas em bairros centrais a proporção pode chegar a uma livraria para cada 250 habitantes!

Em algum momento pretendo listar aqui as minhas preferidas, como a linda El Ateneo. Por enquanto, achei que seria curioso resgatar a história da pioneira, La Botica, onde atualmente está a Librería de Ávila.

La Librería de Ávila, a primeira livraria de Buenos Aires

Librería de Ávila

Foi na esquina das calles Adolfo Alsina e Bolívar, no bairro de Monserrat, que se vendeu o primeiro livro em Buenos Aires, lá pelos idos do século dezoito.

Em 1785, o farmacêutico Francisco Salvio Marull abriu ali um estabelecimento conhecido como La Botica, onde era possível comprar de tudo um pouco, de remédios a tabaco, numa espécie de “shopping center” da época. Não dá pra saber exatamente qual foi o primeiro livro vendido, mas historiadores contam que a Botica também fez sua fama comercializando textos vindos da Europa e do chamado Alto Peru para “satisfazer as inquietudes bibliófilas” dos moradores da colônia espanhola. Lá, também foi vendido o primeiro jornal de Buenos Aires, em 1801, batizado com o pomposo nome de El Telégrafo Mercantil, Rural, Político, Económico e Historiográfico del Río de la Plata.

Estava traçado o destino literário daquela esquina.

Librería de Ávila

Quando deixou de vender leite e aguardente para focar no ramo livreiro, em 1830, passou a se chamar Librería del Colegio, porque do outro lado da rua ficava – e ainda fica – o Colegio Nacional de Buenos Aires, instituição de ensino mais antiga do país, fundada pelos jesuítas.

Pelas estantes da Librería del Colegio passearam figuras ilustres da história, cultura e sociedade portenha – e que hoje são nomes de rua -, como os antigos presidentes Sarmiento e Bartolomé Mitre, o cientista e botânico Perito Moreno (que batizou aquele famoso glaciar na Patagônia) e os escritores Leopoldo Lugones, Jorge Luis Borges, Ernesto Sábato, Victoria Ocampo e Roberto Arlt, entre muuuuitos outros.

O edifício foi demolido em 1926 e um novo foi erguido no lugar, em estilo eclético, em pé até hoje. Ali, funcionou a sede da editora Sudamericana entre 1929 e 1967, quando o imóvel foi vendido para uma cooperativa de ex-funcionários da Librería del Colégio. Só que os negócios não foram nada bem e, na década de 1980, aquelas portas fecharam de vez. Quer dizer, até Miguel Ávila entrar na história.

Librería de Ávila

Livreiro desde os 13 anos de idade, Miguel Ávila comprou a antiga Librería del Colegio em 1993, mas levou cerca de um ano para reformá-la, num trabalho quase arqueológico. Depois de recuperar a aura literária daquela esquina, nada mais justo e merecido que batizá-la com seu nome. Oras.

Quem atende ali é o próprio Miguel e seu filho Facundo. No andar de cima ficam as novidades (e, nesse quesito, confesso que achei a livraria bem fraca), mas seu maior tesouro está no subsolo, onde estão os livros raros, curiosos e/ou esgotados. O acervo é imenso e especializado em assuntos humanísticos, com destaque para temas argentinos e da América Latina. Se você está procurando algo sobre indigenismo, botânica, antropologia, história, linguística ou arqueologia, é só descer estas escadas.

Librería de Ávila

A Librería de Ávila foi declarada patrimônio histórico cultural pelo governo portenho em 2000. Ainda que existam 467 livrarias na capital, sem dúvidas esta merece uma visita.

Librería de Ávila
Adolfo Alsina, 500, Monserrat
Aberta de segunda a sexta das 8h30 às 20h. Aos sábados, das 10h às 14h e das 15h às 17h.

Veja mais coisas para fazer no Centro de Buenos Aires.

Bem próximo da Librería de Ávila está a sede do governo argentino. Saiba como visitar a Casa Rosada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 comentários

  1. Nei

    Jajaja! Muy buena nota, Mariana! 476 librerías! En Bs As te podés tropezar en la calle con transeúntes que no te ven porque caminan leyendo un libro…

  2. Neemias Souza de Oliveira

    Ola Mariana, bom dia. Gostaria se possível de tu me indicares alguns sites de livrarias daí para ver se eu consigo comprar daqui do Brasil. Grato.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *