40 anos golpe militar

Os 40 anos do golpe militar argentino

Post atualizado em

Enquanto no Brasil há malucos pedindo “intervenção militar” nos cartazes das cada vez mais frequentes manifestações políticas, na Argentina a ditadura é uma ferida aberta que ainda não cicatrizou totalmente. E nem deve. Porque, enquanto estiver viva na memória de todos, ninguém permitirá que volte a acontecer.

Os 40 anos do golpe militar argentino

marcha

No dia 24 de março de 1976, uma junta militar encabeçada pelo general Jorge Rafael Videla derrubava o governo de Isabelita Perón e instaurava um regime ditatorial que duraria sete anos, resultando em pelo menos 30 mil vítimas.

Nessa quinta-feira, a data completa 40 anos, e haverá uma grande comoção nacional em torno deste aniversário. Quem estiver na cidade neste dia 24, batizado de Dia Nacional da Memória pela Verdade e Justiça, poderá aproveitar para entender o que foi essa mancha vergonhosa na história do país.

Uma curiosidade é que, neste mesmo 24 de março, só que em 1986, a Argentina ganhava um Oscar com o filme A História Oficial, que justamente contava o esquema de sequestros de bebês filhos de presos políticos. Dirigido por Luis Puenzo e estrelado por uma ainda jovem Norma Aleandro, a primeira produção latino-americana a levar a estatueta de melhor filme estrangeiro volta às salas de cinema de Buenos Aires com imagem restaurada em 4k, som estéreo 5.1 e novas cópias digitais remasterizadas. A reestreia será nesta quinta-feira em várias salas da capital. Dá pra ver o trailer aqui. (Na verdade, o filme inteiro está disponível no Youtube.)

40 anos golpe militarOutra atração cultural que evoca a data é a exposição De vuelta en casa, de Rubén Sosa, em cartaz na Biblioteca Nacional. Sosa foi um desenhista e quadrinista argentino que, um ano antes do golpe, deixou o país para viver na Itália e nunca mais voltou. Sua obra esteve inédita por aqui até hoje, mas na Europa foi recebida com entusiasmo por gênios como o francês Georges Wolinksi, da revista de humor Charlie Hebdo. Os HQs Un hombre normal e Tigres de Papier podem ser vistos nas paredes da Plaza del Lector Rayuela (do lado de fora da Biblioteca) e na sala Leopoldo Lugones. A Biblioteca fica na Aguëro, 2502, na Recoleta, e abre de segunda a sexta das 9h à meia-noite (isso mesmo, meia-noite, você leu direito!). Aos sábados, a partir das 12h e aos domingos até as 19h. Mais infos, aqui.

40 anos golpe militar

Plaza del Lector Rayuela, em frente à Biblioteca.

Um lugar que merece uma visita, e mais especialmente nesta data, é o Parque de la Memoria, inaugurado em 2001 na costaneira norte de Buenos Aires. O memorial contrasta a placidez do Rio da Prata com o horror da ditadura. Além de um espaço de exposições e de diversas placas informando sobre este período obscuro da história do país, é impressionante o monumento construído ali, em memória às vítimas de terrorismo do Estado. São 30 mil placas de concreto, grande parte delas lembrando os nomes em ordem alfabética dos detidos/desaparecidos e/ou assassinados entre 1969 e 1983 pelo governo da época, com base nos boletins da CONADEP (Comisión Nacional sobre Desaparición de Personas). É chocante ver ali a idade de algumas das vítimas, com apenas 15, 16 anos, e também ver que havia muitas mulheres grávidas. Dentro do rio, uma escultura da artista Claudia Fontes reproduz a figura de Pablo Míguez, desaparecido aos 14 anos de idade. O Parque fica na Av. Costanera Norte Rafael Obligado, 6745, e abre diariamente de 10h a 18h para visitação.

40 anos golpe militar

Parque de la Memoria. Foto: AAJ Press

Também transformado em lugar de reflexão sobre a ditadura cívico-militar, a antiga ESMA, hoje Centro Cultural de la Memoria Haroldo Conti, é outro lugar que vale a visita. O edifício foi sede da Escuela de Mecánica de la Armada, onde funcionou um dos mais emblemáticos centros clandestinos de detenção, tortura e extermínio, que chegou a receber cerca de cinco mil pessoas – destas, apenas 200 sobreviveram. O nome do espaço, inaugurado em 2008, faz referência ao escritor Haroldo Conti, nascido em 1925, desaparecido no dia 4 de maio de 1976 e até hoje nunca encontrado. É bastante simbólico que um antigo lugar de morte e reclusão seja hoje aberto à comunidade e ocupado com arte, a melhor forma de iluminar a sociedade. Aqui, mais infos e a programação das atividades. O Centro Cultural Haroldo Conti fica na Av. del Libertador, 8151, no bairro de Nuñez, não muito longe do Parque de la Memoria.

40 anos golpe militar

Ato em frente à ESMA, hoje sede do Centro Cultural Haroldo Conti. Foto: EFE.

Uma grande manifestação em memória do 40º aniversário do golpe genocida está prevista para sair às 14h do dia 24/03, do cruzamento da Avenida de Mayo e 9 de Julio para se concentrar na Plaza de Mayo. Outra marcha sai às 15h30 da porta do Congresso rumo ao mesmo lugar, a pirâmide da praça. Por que duas? Bem, porque uma é organizada pela associação das Madres de Plaza de Mayo, e a outra pela associação das Abuelas, que têm divergências entre si. Afinal de contas, a Argentina é um país cheio de complexidades.

Confira todas as nossas dicas de hotéis em Buenos Aires. São vários posts com resenhas, melhores bairros e muitas outras dicas.

Se está planejando sua viagem para Buenos Aires, não deixe de contratar um bom seguro viagem. Ninguém espera que algo aconteça, mas vai que acontece. Melhor estar prevenido, não é?!

COTAÇÃO DE SEGURO VIAGEM AQUI >>

E não deixe de conferir todos os passeios e ingressos que poderá comprar com antecedência. 😉


1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *