Villa Ocampo

Pegue um trem até Villa Ocampo

Post atualizado em

Às vezes é bom dar um tempo do fuzuê da Buenos Aires urbana e respirar outros “aires”. Um passeio ao Tigre pode ser uma boa, mas se além de ter contato com a natureza a ideia também é se aprofundar na história e na cultura argentina, eis o destino ideal: Villa Ocampo.

Ao invés de seguir até a estação rodoviária de Tigre, desça antes, em Béccar. Aí, é só caminhar algumas quadras em direção ao Rio da Prata e pronto, os portões da aristocracia argentina se abrirão para você.

Pegue um trem até Villa Ocampo

Villa Ocampo

A partir do século 19 os terrenos à margem norte do Rio da Prata passaram às famílias aristocráticas portenhas, que os usavam como quintas de veraneio. Os Ocampo estavam entre os mais nobres e importantes da época (tendo inclusive apoiado financeiramente a Revolução de Maio), mas foi durante o século 20 que se estabeleceram como pilares da cultura argentina, graças às irmãs Silvina e Victoria. Enquanto a primeira, caçula, é considerada até hoje a principal escritora do país, Victoria, a mais velha (1890-1979), foi a grande mecenas das artes nacionais. Fundou a revista e editora Sur, que editaria Jorge Luis Borges (até então um desconhecido), Bioy Casares (quem depois se casaria com Silvina) e as melhores penas do século 20, foi diretora do Teatro Colón, publicou diversos ensaios e livros, participou de inúmeros movimentos intelectuais e sempre esteve envolvida com as vanguardas artísticas de seu tempo – da Argentina e da Europa.

Villa Ocampo

A própria, no quintal da residência.

Villa Ocampo

Vista dos fundos da propriedade.

No ano em que nasceu, sua família começou a construção da Villa Ocampo, onde passariam os meses calorosos de novembro a março. A residência, projetada pelo pai de Victoria em estilo italiano, contava com dez hectares e chegava até a barranca de San Isidro, desembocando no rio – hoje, o terreno tem apenas um hectare. Sua proprietária era Francisca, tia de Victoria, quem deixou a casa para a sobrinha em testamento. Em 1941, Victoria se instalaria ali definitivamente, dando um toque moderno ao suntuoso casarão e transformando-o em parada obrigatória da intelectualidade mundial, do poeta indiano Tagore, ao francês Exupéry (autor de O Pequeno Príncipe), incluindo o pianista Igor Stravinsky, o arquiteto e urbanista Le Corbusier, o poeta Pablo Neruda, o escritor Albert Camus, o autor de Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley, entre muitíssimos outros.

villaocampo11

Com seus indefectíveis óculos de gatinho, ao lado da primeira-ministra da Índia Indira Gandhi.

O filósofo espanhol José Ortega y Gasset a chamava de “La Gioconda de los Pampas”, a grande escritora Virgia Woolf a descrevia como “la opulenta belleza de la millionaria de Buenos Aires”, mas a própria Victoria gostava de dizer que “as pessoas não são ricas pelo que têm, mas pelo que têm para dar”. Victoria foi uma militante da literatura e das artes em geral, e também uma das primeiras feministas do país, tendo fundado a Unión Mujeres Argentinas e lutado pelo voto feminino e em defesa dos mesmos direitos civis e políticos para homens e mulheres.

Victoria doou em vida a Villa Ocampo para a Unesco, que a mantém como um “observatório” para a pesquisa e a reflexão sobre as artes e os grandes temas da humanidade.

Villa Ocampo

O início do tour, na escadaria em frente a um tapete de Picasso.

Villa Ocampo

O escritório e parte da biblioteca de Victoria…

Villa Ocampo

… onde encontrei essa antologia de contos brasileiros!

O passeio até lá inclui visita guiada em espanhol (a partir das 14h) e acesso a todos os ambientes da casa – incluindo sua invejável biblioteca. Há ainda um excelente restaurante e casa de chá com vista para os jardins, onde gansos caminham em fila pedindo para serem fotografados. Almocei duas vezes lá e achei tudo excelente, a um preço bem honesto (cerca de 200 pesos com bebida, sobremesa e café). Dizem (mas ainda não provei) que a cafeteria e os chás da casa também são sensacionais.

Villa Ocampo

O restaurante com vista para os jardins.

Villa Ocampo

Um spaghetti simples e delicioso…

 

Villa Ocampo

…e uma sobremesa para finalizar.

Villa Ocampo

(sacá só o crème brûlée!)

A Villa Ocampo abre de quarta a domingo das 12h30 às 19h. O ideal é ir para o almoço, e a melhor maneira de chegar lá é tomando o trem linha Mitre sentido Tigre na estação de Retiro (ou, se estiver em Palermo, na Lisandro de la Torre) e descer na estação Beccar, a apenas sete quadras da casa.

Villa Ocampo

Villa Ocampo

Os novos trens: rápidos, superconfortáveis e baratinhos.

A entrada custa $50 pesos (preço de setembro 2016). Às vezes também acontecem concertos, exposições e outras atividades culturais na casa, então vale conferir sua fanpage.

Villa Ocampo
Elortondo 1837, Beccar
Tel (54-11) 4732-4988
De quarta a domingo das 12h30 às 19h

Confira todas as nossas dicas de hotéis em Buenos Aires. São vários posts com resenhas, melhores bairros e muitas outras dicas.

Se está planejando sua viagem para Buenos Aires, não deixe de contratar um bom seguro viagem. Ninguém espera que algo aconteça, mas vai que acontece. Melhor estar prevenido, não é?!

COTAÇÃO DE SEGURO VIAGEM AQUI >>

E não deixe de conferir todos os passeios e ingressos que poderá comprar com antecedência. 😉


2 comentários

  1. Patricia

    Poxa… estará fechado de 10 de outubro até 10 de novembro. Pena, pois estarei em Baires semana que vem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *