Viagem de 10 dias para Buenos Aires – Dica do leitor

Hoje quem vai nos contar sobre a sua viagem é o Wellington, que veio para Buenos Aires junto com o Gregory. Eles passaram dez dias por aqui e vieram especialmente para a Maratona de Buenos Aires, que aconteceu no dia 12 de outubro. Uau! 42km? Haja fôlego, hein?! Parabéns pela disposição, não é qualquer um que consegue completar uma prova dessas!

E como o Wellington e o Gregory não são bobos nem nada, eles decidiram aproveitar a viagem para conhecer Buenos Aires. E o melhor, ele fizeram um mapa personalizado no Google, achei muito legal para quem quiser fuçar! Eles seguiram o roteiro básico de turismo, que você pode encontrar nosso lindo Guia Básico – O que fazer em Buenos Aires (4 dias). Mas se você já conhece a cidade e quer um roteiro de viagem mais alternativo, recomendamos o nosso Guia Lado B dos pontos turísticos de Buenos Aires.

Roteiro de 10 dias em Buenos Aires – Dica do leitor

dica_do_leitor_2

Oi, Túlio!

Finalmente foi a minha vez de conhecer a incrível Buenos Aires que eu passei três meses namorando, ao planejar a minha viagem, nas ótimas postagens publicadas aqui no Aires Buenos e em outros blogs de brasileiros residentes daí. Revirei e dei uma boa garimpada em tudo e só posso dizer que não tinha como não ter amado tudo o que eu fiz e vi em Buenos Aires. Muito obrigado!

Farei um relato bem detalhado, espero que todos tenham paciência para ler. Está recheado de informações legais para as pessoas agregarem às viagens delas.

Eu (Tito) e o Greg passamos dez dias em Buenos Aires, sendo que o primeiro final de semana foi destinado à Maratona de Buenos Aires, junto a outros amigos. A prova proporcionou um ótimo panorama pela cidade, com ótimas paisagens e o ponto de partida e chegada era no Parque Norte, em Belgrano, um dos destaques do bairro.

No sábado, 11 de outubro de 2014, começamos tomando um ótimo cappuccino com medialuna recheada de pasta de amendoim e nutella (<3) no Lattente em Palermo Hollywood (bairro em que ficamos hospedados) e seguimos para resolver trâmites da maratona e câmbio do dinheiro. No almoço, sentamos no ótimo Miranda e só posso dizer que todo mundo deveria experimentar o suco de maracujá com gengibre e a melhor chocotorta de Buenos Aires! Ótimo ambiente e atendimento. Após descansar rapidamente no hotel, fomos ao encontro dos amigos corredores no café Nucha, em Palermo Soho. Ambiente lindíssimo, com ótima proposta para brunch, mas atendimento e qualidade dos produtos que deixaram a desejar. Fechamos o dia com uma massa deliciosamente preparada no descolado, agradável e simpático Il Ballo del Mattone. Preço incrível para a quantidade e qualidade dos pratos. Ponto alto da viagem, gastronomicamente falando. Ida obrigatória. Tem até DJ tocando um som delicioso. Dividam o prato, vão por mim.

Domingo foi o dia da maratona e a comemoração posterior foi no Hard Rock, na Recoleta. Válido para comer petiscos e beber. Eu me decepcionei, mas foi legal para conhecer rapidamente o Buenos Aires Design, como bom estudante de arquitetura que sou. Rsrs!

dica_do_leitor_3

Segunda-feira começamos a turistar efetivamente. Como era feriado, passeios ao ar livre nos caíram muito bem. Plaza Holanda, seguido do encantador Rosedal, espiada no Planetário, Zoo de Palermo (nunca tinha visto um camelo, rs) e seguimos para Belgrano, almoçando no Möoi. Interior bonitão, comida levinha e bom atendimento. Se a ideia for comer uma saladinha, lá é o lugar certo. Deitamos um pouco nas agradáveis barrancas e demos uma olhada no dispensável Barrio Chino (a nossa Liberdade é melhor). Na volta, vimos espetáculo circense na praça, compramos na feirinha e visitamos a Basílica onde o Papa Francisco ministrava cultos. Belgrano, só para quem tiver uma viagem longa.

Terça-feira foi dia de conhecer o centro. Plaza San Martin, Calle Florida e a Galerias Pacífico. Não se contente apenas em entrar lá para tirar fotos. Compre muitos alfajores da Abuela Goye, você vai lembrar deles pelo resto da viagem. Obelisco com a Evita <3 ao fundo e passagem por debaixo das marquises dos teatros da Corrientes para depois fazermos a visita guiada pelo deslumbrante Teatro Colón. Muito válido, meus olhos brilharam.

dica_do_leitor_4

El Ateneo é linda. Sugiro que você vá com a ideia de comprar um livro da Mafalda ou do Liniers por lá. O café no palco é curioso, mas só. Atendimento nada simpático e comidinhas sem graça. Encerramos o dia com uma baita decepção. La Cabrera. Nossa reserva foi atrapalhada e não tive um bom primeiro contato com o bife de chorizo.

Quarta-feira deixamos para ver alguns parques de Palermo que havíamos pulado. Jardim Botânico que é lindo e tem uma mistura de estilos paisagísticos (e um bosque de borboletas!), Museu Evita para se apaixonar pela Primeira Dama e para renovar a alma, o fascinante Jardim Japonês. O almoço foi no El Club de la Milanesa. Delicioso! Não poderia ter voltado de lá sem experimentar aquela ótima milanesa. Acompanhado de Quilmes, vai muito bem, obrigado! Rs.

dica_do_leitor_5

Mais tarde, MALBA! Tarsila do Amaral e Abraham Palatnik no mesmo ambiente. Boom! Amei, e considero obrigatório! A lojinha é uma perdição. Vale lembrar que estudantes entram gratuitamente neste dia. Para coroar um dos melhores dias da viagem, vimos e espetacular Fuerza Bruta que é de encher os olhos. Experiência maravilhosa. It just keeps getting better! El Cuartito na saída. Melhor pizza de todas. E tinha jogo do Boca (que infelizmente perdeu. E desde quando eu gosto de futebol?)! Simpatia é o sobrenome dos atendentes de lá.

Na quinta-feira, atravessamos o Rio de la Plata para caminhar na cidadezinha colonial do Uruguai, Colonia del Sacramento. Belíssima, rende ótimas fotos. Foi um respiro para nós dois, que passávamos mais de 10 horas por dia andando. Os preços são superfaturados para serviços que não são tão surpreendentes. Mas o restaurante El Drugstore é uma boa pedida.

À noite, fomos no bueníssima onda… Burger Joint no Palermo Soho! Imagine uma fatia de abacaxi no meio do seu hambúrguer. Sim, o resultado é mais do que delicioso. Só indo provar, mesmo. Prestação de serviço público aos turistas, as palavras-chave do lugar é: sem ordem. Lembre-se de experimentar o disputado catchup com curry, a cerveja artesanal vermelha e levar uma canetinha para deixar sua marca nas paredes de lá.

Sexta-feira nós vimos o Caminito. Err… Digamos assim: não voltaria. Sem sal. Mas logo em seguida (anotem bem no roteiro de vocês) fomos ao Fundación PROA. Vi uma exposição incrível por lá! Terminando, fomos surpreendidos pela comida mais do que digna que é servida no café, lá em cima, no último andar. Com ótima vista para o porto. Preço justíssimo e pratos excepcionais! Ficamos até tristes de saber que a maior parte dos turistas mal sabe que aquele espaço existe e pagam preços exorbitantes nos restaurantes questionáveis ali no Caminito. É um verdadeiro achado. Seguimos para ver a exposição da Mafalda na Usina del Arte, que era um centro cultural que eu estava ansioso para conhecer, mas fui embora de lá meio decepcionado. Deve ser porque estava tendo um evento educacional que limitou a nossa visita. Fomos tirar foto com a Mafalda em San Telmo e aí está outra dica: a menos que você queira tirar foto no banquinho da Mafalda com uma coletiva de turistas amontoados na sua frente, vá fazer isso durante a semana. Seguimos o Paseo de la Historieta, que é uma sequência de famosos personagens argentinos de quadrinhos espalhados pelas ruas de San Telmo, levando até o Museu do Humor. No caminho, você avista Puerto Madero e a Costanera del Sur.

dica_do_leitor_6

De lá, fomos para a Galeria Patio del Liceo, onde eu não sabia em qual lojinha eu entrava primeiro e deixei alguns vários pesos na Monoblock, que vende material de papelaria do Liniers. Imperdível.

No sábado, fomos para a Recoleta. Meu segundo bairro preferido de Buenos Aires. Caminhamos pela Avenida Alvear e a embaixada do Brasil no final dela é lindona. Vale o click. O Museu de Arquitetura e Design (MARQ) infelizmente encontrava-se fechado. Fotos na escadaria da Faculdade de Direito e com a Floralis Generica (que está em manutenção) e mesmo assim, continua sendo fascinante. Almoço no (É uma cilada, Bino!) San Juanino. Demoradíssimo e brega. Peçam empanadas para viagem. Rsrs. Decepção que um helado da Persicco curou muito facilmente. A visita guiada no Cemitério da Recoleta é uma aula curiosíssima, vale muito a pena. Garimpada na Feirinha e à noite, fui mudar o meu conceito do bife de chorizo no Don Julio. Carne exemplar e muito bem feita. Um dos melhores atendimentos da viagem. Façam suas reservas. Ou aguardem rapidamente na entrada tomando um espumante cortesia.

Domingo é dia do quê? Feirinha de San Telmo, yep! Gigantesca. Comprei soldadinhos de chumbo, selos da Evita e uma camiseta com uma arte lindinha da marca independente ‘Selva’. Passamos vontade de fazer a visita guiada no El Zanjon (que já está no roteiro do retorno) e curtimos um som bacaníssimo de uma banda percussionista em um dos espaços de choripan da Calle Defensa. O almoço foi outra agradável surpresa, também. Tem um café/restô dentro do Museu do Bicentenário (atrás da Casa Rosada). Comida muito bem preparada, por um preço ótimo. Empanada de carne exemplar. E o museu é ótimo, também. O projeto arquitetônico da cobertura dele é um espetáculo à parte. Deixamos a sobremesa para o Café Tortoni. Outro ponto turístico que eu não voltaria nunca mais. Atendimento arrogante e já provei vários churros melhores que aquele. Tchau. A visita guiada na Casa Rosada é bem legal. O Salão Dourado e o escritório da Evita são pontos altos. Por fim, uma brisa de final de dia em Puerto Madero.

dica_do_leitor_7

Já se despedindo da viagem, fomos ver qual era a boa da Villa Crespo e depois almoçamos no Sarkis. Ótima comida árabe. Até me arrisquei a provar e aprovar pela primeira vez o kibe cru. Para finalizar, ainda consegui passar pela Papelera Palermo, uma papelaria que todos os itens à venda são de fabricação própria. Morri de vontade de fazer um dos cursos deles e comprei papel de presente de lá, porque é um item muito adequado para se colocar na mala, é claro. Háhá!

Já sinto falta das moscas de Palermo, de atravessar a rua com o farol de pedestres aberto quando ainda é permitido fazer conversões (algo comum aqui, rsrs), de comprar Milka nos kioscos e dos helados do Persicco e Volta.

Tchau, Evita! Hasta pronto. Obrigado, novamente, por todas as dicas, Túlio. Espero que os leitores que tenham chegado até aqui possam ter tirados dicas valiosas da minha experiência. Saibam que apesar de eu já ter finalizado o planejamento e ter feito a viagem, eu continuo/continuarei lendo o blog!

E para quem tiver interesse, fica o mapa personalizado que eu criei no Google com os meus pontos de interesse: https://www.google.com/maps/d/edit?mid=zVjfoHEZK8_U.kAsmRR7Mw86M

Para quem utiliza iPhone, ótimos aplicativos para se usar durante a viagem são: Maps.me (Mapa Offline), Moovit (Trajetos de Transporte Público) e o Foursquare.

Muito obrigado pelas dicas Wellington! Não conhecíamos o Maps.me e pareceu ótimo. Temos um post onde falamos de aplicativos para sua viagem em Buenos Aires.

Para ver mais roteiros e experiências de viagens dos nossos leitores, visite a categoria DICA DO LEITOR.

E se você já veio para Buenos Aires e quer nos contar suas aventuras, faça um belo texto e mande junto com suas fotos para airesbuenosblog@gmail.com.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

14 comentários

    • Tito

      Maria Cristina, a foto do píer é em Colônia del Sacramento, no Uruguai, assim como a primeira. É lindíssimo lá!

    • Tito

      Sim, a foto dos pratos foi o almoço que tivemos no Fundación PROA. Pratos super baratos, com essa apresentação e um sabor incrível! A exposição que eu vi lá estava impecável também. Valeu a ida até o Caminito, porque é logo na esquina! : )

  1. Oslen Rodrigues

    Café Tortoni é cilada mesmo hahaha, perda de tempo, tem muitos locais melhores para se conhecer em BsAs!!!! Dicas legais Tito (y)

    • Tito

      Café em BsAs é o que não falta, né? Talvez o Tango do Café Tortoni seja interessante, assim como é a arquitetura de interiores do local. De resto… Rs. Que bom que gostou. : )

  2. Gabi

    Tito vou viajar em janeiro para BsAs e estou muito preocupada com o cambio. Gostaria de saber onde voce fez a sua trocar e por quanto ?

    • Tito

      Gabi, procure por “Cambio Justo” no Facebook. É indicação do próprio Túlio, constantemente, aqui no Aires Buenos. Na página deles tem as informações das cotações diárias e por lá você consegue agendar horário para fazer o seu câmbio. Fizemos por lá. : )

  3. Rosanias Soares

    Olá! Qual a melhor forma de chegar ao bairro Palermo, saindo do aeroporto internacional?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *