O 25 de maio argentino explicado em 2 museus

Nessa quarta-feira é feriado nacional na Argentina pelo dia da Revolução de Maio, evento histórico dos mais importantes do país, que marcou o início de sua independência da Espanha, proclamada seis anos depois, em 9 de julho – seis antes da nossa.

Se você aproveitou o feriado brasileiro de Corpus Christi para passar uns dias na capital argentina, que tal conhecer um pouco mais dessa história em dois museus de Buenos Aires?

O 25 de maio argentino explicado em 2 museus

25 de maio

La Revolución de Mayo, obra de Francisco Fortuny

Corria o ano de 1810 no Vice-Reinado do Rio da Prata quando um grupo de revolucionários argentinos decidiu que era hora de se libertar de uma vez da coroa espanhola, destituindo o vice-rei Baltasar Hidalgo Cisneros e criando, no seu lugar, o primeiro conselho de governadores do estado nacional, conhecido como Primeira Junta.

O processo foi longo, mas seus dias mais quentes e decisivos aconteceram de 18 a 25 de maio de 1801, na chamada Semana de Mayo, quando o povo saiu às ruas pedindo por liberdade e ocupando em peso a Praça de Maio, que na época ainda se chamava Plaza de la Victoria.

Os detalhes da revolução estão contados em diversos museus portenhos, mas a gente recomenda muito dois deles, o Museo Nacional del Cabildo y la Revolución de Mayo e o Museo Histórico Nacional – Havia um terceiro, o Museo del Bicentenário, mas atualmente está fechado para reformas.

25 de maioEspécie de prefeitura da época colonial, os cabildos foram uma das instituições mais importantes das colônias hispano-americanas, já que centralizavam a justiça, a administração, a segurança e o abastecimento das cidades da época (a palavra vem do latim, Capitulum, que significa cabeça. O Cabildo de Buenos Aires foi erguido em 1612, mas de lá pra cá passou por diversas reconstruções. O lugar serviu de prisão, de sede do governo do Vice-Reino do Rio da Prata, e foi o principal cenário da revolução de maio de 1810, até ser dissolvido em 1821. Na década de 30 foi declarado Monumento Histórico Nacional. Além da própria arquitetura do edifício, a visita vale pelos inúmeros documentos, fotografias, quadros, estandartes, objetos e móveis ali expostos, como um retábulo do altar da antiga Basílica de San Nicolás de Bari, onde flamejou pela primeira vez a bandeira argentina, em 1812, , no local onde hoje está o obelisco. A entrada no Cabildo custa apenas 15 pesos (às terças é gratuito) e há visitas guiadas rolando em vários horários (consulte o site do museu).

25 de maioOutro dos museus públicos que recomendamos é o Histórico Nacional, fundado em 1897 no terreno onde fica o Parque Lezama, em San Telmo. Já escrevi sobre ele aqui. A coleção tem mais de 50 mil peças relacionadas à história argentina – de sua fundação até meados do século 20. A Revolução de Maio, naturalmente, é um dos temas mais presentes, sobretudo em duas mostras permanentes: Revolución de Mayo y Guerra de la Independencia, e Sociedad porteña en 1810. O museu abre de quarta a domingo e, nas quartas, a entrada é de graça.

25 de maioPara as comemorações dos 200 anos da Revolução de Maio, a então presidenta Cristina Kirchner inaugurou o Museo del Bicentenário, um espaço belíssimo, que narrava por meio de documentos, imagens, objetos e vídeos dois séculos de história argentina (com abordagem revisionista e certo enfoque militante ao peronismo, é verdade). O próprio espaço era uma aula à parte, já que ficava sobre as ruínas do antigo forte de Buenos Aires, na baixada atrás da Casa Rosada. Há quase um mês, porém, o museu está fechado para reformas (o jornal Página/12 fala em “deskirchnerização”). Segundo uma matéria do La Nación da semana passada, na gestão Macri o Bicentenário se tornará o “Museo de los presidentes argentinos“, e a ideia é reinaugurá-lo para o bicentenário da independência, no dia 9 de julho. De qualquer forma, a produção audiovisual do museu ainda está disponível aqui, e vale a pena.

Museo Nacional del Cabildo y la Revolución de Mayo
Bolívar, 65, em frente à Praça de Maio.
Terça, quarta e sexta das 10h30 às 17h; sábados, domingos e feriados das 10h30 às 18h, quintas das 10h30 às 20h. Visitas guiadas em diversos horários.
Entrada: $15 (grátis às terças)

Museo Histórico Nacional
Defensa, 1.600, San Telmo
De quarta a domingo, das 11h às 18h
Entrada: $20 (grátis às quartas)

Aproveite e conheça os 6 museus nada comuns em Buenos Aires.

Se está procurando museus tradicionais, veja os 10 melhores museus de Buenos Aires.

Para comprar ingressos, transfer e passeios, conheça a parceria Aires Buenos + Turistando Buenos Aires, um atendimento feito por brasileiros.

Confira todas as nossas dicas de hotéis em Buenos Aires. São vários posts com resenhas, melhores bairros e muitas outras dicas.

Se está planejando sua viagem para Buenos Aires, não deixe de contratar um bom seguro viagem. Ninguém espera que algo aconteça, mas vai que acontece. Melhor estar prevenido, não é?!

COTAÇÃO DE SEGURO VIAGEM AQUI >>

E não deixe de conferir todos os passeios e ingressos que poderá comprar com antecedência. 😉

 

6 comentários

  1. adriana cimino

    OLÁ, Quais as programações para os dias 28 de abril a 01 de maio?
    dia 30 de abril e 01 de maio será feriado na Argentina?

  2. Thatyanny

    Bom dia Mariana, queria tirar uma dúvida: o Cabildo a entrada é gratuita na terça ou na quarta? Ao longo do texto você colocou que era na quarta, mas no final colocou as terças.

    • Mariana Sanchez
      Author

      Olá, Thaty, obrigada pelo toque. Já consertamos no texto. O dia gratuito é terça-feira, “los martes” 😉 Beijão!

  3. Alexandre Dutra

    Bom dia Mariana, estamos chegando amanhã cedo e vi que ano passado tiveram shows na Plaza de Maio, até o Carlos Vives, qual a programação para amanhã na cidade, fora conhecer a história da Argentina, tem shows, eventos culturais, sabe se a livraria El Ateneo estará aberta, no site não diz nada. abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *