5 sorveterias cheias de história e tradição em Buenos Aires

Quem visita Buenos Aires e experimenta algum dos muitos sorvetes feitos por aqui acaba se apaixonando, isso não é novidade. Não é à toa que fizemos o post 5 sorveterias muito melhores que a Freddo, afinal você precisa conhecer tudo de bom que a cidade pode oferecer.

Hoje vamos falar sobre 5 sorveterias cheias de histórias e tradição. Saiba que não são apenas os bodegones da cidade que perduram por anos. Muitas boas sorveterias seguem a tradição em suas receitas há décadas e você vai poder provar de todas essas delícias!

5 sorveterias cheias de história e sorvetes tradicionais em Buenos Aires

Cadore

Essa foi a nossa sorveteria preferida por muito tempo, mal sabíamos nós que ela começou com as receitas familiares do italiano Silvestre Orlivotti, que vivia em Cadore, na parte norte da Itália. Atualmente quem leva o lugar é o sobrinho de Olivetti, Gabriel Famá. Ele mantém os sabores tradicionais de quando o local foi inaugurado, em 1957, mas consegue fazer belíssimas inovações com sabores modernos, como laranja com gengibre, Chai à base de chá e limonada com menta.

Endereço: Corrientes 1695, Centro

Via Maggiore

Outro imigrante do norte da Itália, mais especificamente de Pordenone, decidiu abrir uma sorveteria em 1981. Essa foi a vez de Alfredo Zanetti, que era na verdade carpinteiro e mudou de ramos após fazer móveis para 13 sorveterias diferentes na cidade. A 14ª sorveteria com seus móveis foi a própria Via Maggiore. Se você for lá hoje vai ver os móveis que ele desenhou intactos. Se for no período da noite poderá até mesmo conversar com Zanetti! Além dele, sua filha trabalha por lá há muitos anos. Eles têm sabores próprios como o chocolate amargo Maggiore, com nozes, figo, uva passas e rum, e o crema Turca, com creme de nozes, nozes e figo. Vale a pena experimentar!

Endereço: Callao 777, Recoleta.

Bianca

Foto: www.heladeriabianca.com

Essa sorveteria foi inaugurada em 1979 com a ideia de se parecer o mais próximo possível com uma sorveteria verdadeiramente italiana, conseguiram e muito bem! Quem dirige o negócio é Federico Punteri, sobrinho do fundador. Ultimamente eles inseriram no cardápio novos sabores como chocotorta, com sabor da famosa sobremesa argentina, além de algumas opções light e também iogurte gelado. Assim como as demais sorveterias tradicionais da cidade, eles buscam pela excelência, utilizando sempre as melhores matérias primas.

Endereço: Raúl Scalabrini 2295, Palermo.

Saverio

A Saverio foi a sorveteria pioneira em Buenos Aires, tendo sido inaugurada em 1909 por Francesco Saverio Manzo, um imigrante italiano que preparava sorvetes no quintal de sua casa até inaugurar seu negócio. Até hoje eles mantêm o segredo de Don Saverio, que foi o primeiro grande sucesso: o sorvete de creme chantilly, que é na verdade um creme de chantilly gelado, com sabores e texturas únicos. Um de seus fiéis clientes foi o tangueiro Carlos Gardel, que sempre pedia o sorvete de limão.

Endereço: San Juan 2816, San Cristóbal.

Scannapieco

Andrés Scannapieco era um confeiteiro italiano que abriu sua sorveteria artesanal em Buenos Aires em 1938, na Av. Corrientes. O local permaneceu aberto até 2010 e voltou em 2013 no bairro de Colegiales. Atualmente quem dirige o negócio é o neto de Scannapieco, Juan Andrés, que segue à risca as receitas do avô, sem nada de produtos químicos e muita qualidade na matéria prima. Para ele o sorvete tem que ser artesanal e natural.

Endereço: Álvarez Thomas 10, Colegiales.

Créditos da imagem de destaque: Shutterstock

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários

  1. Luis Augusto.

    Olá pessoal do Aires Buenos.

    Ótimo post sobre os sorvetes. Vou usar algumas das dicas quando visitar BA em Janeiro pela quarta vez. Como vocês postam várias dicas de gastronomia, faço uma sugestão para um próximo post. Fiquei sabendo que a Av. Jujuy tem várias casas de utensílios de cozinha e vocês poderiam dar dicas sobre o comércio desta avenida, como o que pode ser encontrado e as casas que valem a pena visitar.
    Um abraço.
    Luis Augusto.

Curtiu? Comente aí!