Viagem de 6 dias em Buenos Aires – Dica do leitor

Mais uma semana se inicia e com ela mais uma dica do leitor para te inspirar a pensar na sua próxima viagem para a capital portenha! A viagem de 6 dias em Buenos Aires da Juliana foi feita com a sua namorada e elas conseguiram economizar mesmo fazendo a maioria das refeições em bons restaurantes. Nessas horas que é bom comer pouco! Rsrs!

As duas saíram um pouco do circuito tradicional de turismo, que é a mesma proposta do nosso Guia Lado B dos pontos turísticos de Buenos Aires. Mas se você procura um roteiro com os pontos mais visitados da cidade, temos o ebook Guia Básico – O que fazer em Buenos Aires (4 dias).

Roteiro de 6 dias em Buenos Aires – Dica do leitor

Minha namorada e eu fomos para Buenos Aires em 15 de dezembro e voltamos no dia 21. Nosso roteiro talvez seja meio atípico, já que não fomos para fazer compras e nem para ver os shows de tango, mas gostei bastante de conhecer a cidade. E como forma de agradecimento pelas dicas valiosas que pegamos aqui no site, resolvemos enviar nosso roteiro.

viagem 6 dias buenos aires

1º dia
Chegada no Aeroparque voando pela Aerolíneas Argentinas (saiu sem atrasos e não achei o serviço ruim). Fizemos o câmbio no aeroporto, pois somos medrosas para trocar dinheiro na Calle Florida. A cotação estava 1 real para 3,35 pesos. Contratamos o serviço do Tienda Leon por 170 pesos para ir ao hotel Reino del Plata, no centro. Escolhemos esse hotel boutique porque uma moça no trip advisor marcou como ponto negativo que era gay friendly (ponto negativo para ela, é ponto positivo para gente! Rs). Chegamos ao hotel umas 15h e aproveitamos o resto da tarde para conhecer os pontos turísticos que estavam próximos, como a Casa Rosada, o Obelisco e andar pela Avenida 9 de Julio e outras ruas do centro. Ponto importante aqui: quase fui atropelada com o sinal verde para os pedestres! Rsrs! Não vi o aviso no chão de ‘mire’, para prestar atenção se algum carro ia entrar na rua que eu queria atravessar, e quase fui atropelada em apenas 15 minutos de passeio pela cidade.

Então, lembrem-se: se for possível que um carro vire na rua que você quer atravessar, preste atenção nisso. Outro ponto tenso para atravessar foi a Av. Sta Fé com a Calle Callao, mas nessa fomos correndo atrás de uma senhora e conseguimos chegar vivas do outro lado. Fizemos um lanche na Panadería de Pablo. Como chegamos tarde, já não tinha mais o menu de almoço, então pedimos uma salada de frutas e uma panqueca doce. Voltamos ao hotel para descansar um pouco, e à noite fomos jantar em um restaurante na Av. de Mayo, que tinha empanadas. O único porém foi o garçom colocar o couvert na nossa mesa sem termos pedido, e mesmo sem encostar nele e avisando que não queríamos, ele veio na conta.

2º dia
Tomamos café da manhã no London City (Av. de Mayo com a Calle Florida), onde Cortázar escreveu boa parte de seu livro Los Premios. Descobrimos que o café da manhã tem muita coisa inclusa. Se você come pouco e estiver com outra pessoa que também come pouco, pode pedir um só. Depois do café, pegamos o subte (é possível comprar bilhetes de uma ou duas viagens, sem precisar daquele cartão) e descemos na estação Callao, para conhecer a livraria El Ateneo. Depois, fomos para o Cemitério da Recoleta. Procurando onde estava Evita, achamos onde estava enterrado o escritor Adolfo Bioy Casares, o que para mim, valeu mais que ver o mausoléu dela! Rsrs!

Aproveitamos que estávamos ao lado do Centro Cultural Recoleta e compramos o ingresso para o Fuerza Bruta, naquela quinta. Paramos para tomar sorvete na Persicco e fomos para o subte, para voltar ao hotel. À noite, fomos no Café Tortoni para jantar/lanchar.

dica_do_leitor_3

3º dia
Mais um dia que tomamos café no London City, dessa vez pedimos um americano e dividimos, o que deu certinho: o suco de laranja ficou para mim, e ela com o café e os ovos mexidos e a pancetta. Ainda tinha torradas, medialunas e um pedaço de bolo. Depois do café, pegamos o subte, linha D, e descemos na estação Plaza Italia, para ir até o Rosedal. Este parque é lindo, porém tem poucas sombras, o que acabou cansando um pouco, já que chegamos umas 11h lá. Depois que saímos de lá, fomos até o Oui Oui em Palermo para tomar uma água e aguardar uma colega que iríamos encontrar às 14h. Após o encontro, finalmente fomos almoçar no Il Ballo del Mattone. De novo, nos aproveitamos do fato de comermos pouco e dividimos um prato do menu do almoço, que nos serviu muito bem e custou apenas 99 pesos mais o refrigerante extra que pedimos, que custava uns 25 pesos. Ao final, ainda nos foi oferecido um licor.

Com as baterias recarregadas, fomos para o Palermo Soho, passar nas lojas da Tealosophy e Monoblock, onde compramos lembrancinhas e cadernos com personagens do Liniers. Ficamos flanando pelo bairro, até resolvermos ir embora, umas 18h.

4º dia
Café da manhã no London City, pedimos o mision, que vem com um sanduíche tostado muito bom, além de todas as outras coisas de sempre. Resolvemos nos aventurar na Calle Florida e chegar até as Galerias Pacífico. Não gostei muito da Florida. Como já mencionado por outros turistas, os gritos de câmbio são constantes, e alguns vendedores querem te arrastar até a loja de artigos de couro deles. Prefiro ruas mais calmas, e já que não ia comprar nada mesmo, focamos em chegar até as Galerias Pacífico para conhecer o Centro Cultural Borges. Missão cumprida, voltamos para o hotel por outra rua, já que tínhamos que economizar energia para o espetáculo do Fuerza Bruta à noite.
Ele valeu cada peso gasto. Recomendo!

5º dia
Café na Panadería de Pablo, já que hoje finalmente era o dia de conhecer a Mafalda! Tiramos as fotos de praxe, e descobrimos que há um passeio pelas ruas de San Telmo com personagens de histórias de quadrinho. Seguimos a trilha, com diversos personagens, e chegamos até o Gaturro, na Belgrano com a Paseo Colon. O passeio continua até Puerto Madero, mas paramos antes. Na volta, almoçamos também no London City. Pedi um ravioli de ricota e ela uma milanesa gigante com ovo e batata. Ambos estavam deliciosos. E foi o almoço mais caro que fizemos durante toda a viagem, já que a conta deu uns 200 pesos.

dica_do_leitor_4

6º dia
Fomos na feirinha da Recoleta e aproveitamos para lanchar em um lugar com uma ótima energia, o Camping, que realmente tem uma ideia de acampamento, com banquinhos e serviço quase self-service: você mesmo pega sua bebida, e a comida é servida para você no food truck deles. Porém, ela vem em etapas, e quando chegamos, só havia milho (que já estávamos loucas para provar). Depois, eles tocaram o sino para avisar que a tortilla de papas havia chegado. Mal ela chegou, já compramos uns dois pedaços. Estava deliciosa! Ao sair, você mesmo devolve pratos, talheres e copos que usou e joga fora o lixo nas latas certas. Algo que também achei muito legal foi que ao utilizar o wi-fi deles, você também pode escolher as músicas que vão tocar no lugar (entre uma lista de artistas já pré-selecionados). Também é possível acompanhar (não escolher) de casa o que está tocando lá. De longe, um dos lugares mais legais que paramos para comer.

7º dia
Último café no London City e fomos para o aeroporto. Terminamos de gastar lá os pesos que tínhamos e voltamos para casa.

No total, eu sozinha gastei R$ 500,00. Vale lembrar que como pouco e não fui fazer compras. Também não pagamos nenhuma visita guiada ou city tour, talvez por isso o dinheiro tenha rendido bastante para esses 6 dias de viagem.

dica_do_leitor_5

Obrigado pelo seu relato Juliana! E esse passeio pelas ruas de San Telmo se chama Paseo de la historieta, ele é um tanto quanto famoso entre os argentinos pois são vários personagens de quadrinhos ali. E parabéns, você conseguiu gastar pouco e mesmo assim passear bastante, essa é a diferença quando o foco não são as compras.

Se você gostou de conhecer a experiência da Juliana, veja mais na categoria DICA DO LEITOR.

E caso você já tenha visitado Buenos Aires, você pode enviar seu roteiro e algumas fotos para airesbuenosblog@gmail.com. Vamos ficar muito felizes em postar sua história aqui!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

6 comentários

  1. Bruna

    se tivesse trocado na florida estes 500 virariam 300… As vezes colocam o covert na conta por que sabem que brasileiro eh mão de vaca e nao pagam os 10% de caixinha.

  2. loissita

    Eu não consigo achar para comprar os ingresso do Fuerza Bruta e nem consigo achar onde ocorrem os espetáculos em Buenos Aires. Alguém pode me ajudar, por favor?

    • Túlio Bragança
      Author

      Oi, Loissita. Fuerza Bruta teve seus últimos espetáculos em dezembro de 2014. Para esse ano até onde sei não há nada programado deles. Uma pena.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *